» Biografias

Leibniz

Matemático e filósofo alemão



O matemático e filósofo alemão Gottfried Wilhelm von Leibniz, nasceu em 1º de julho de 1646, e morreu em 14 de novembro de 1716. Foi um gênio universal e um fundador de ciência moderna. Ele antecipou o desenvolvimento de LÓGICA simbólica e, independentemente de Isaac Newton, inventou o cálculo com uma notação superior, incluindo os símbolos para integração e diferenciação. Leibniz também defendeu ecumenismo Cristão na religião, leis romanas codificadas e lei natural em jurisprudência, propôs a lei metafísica de otimismo (satirizada por Voltaire em Candide) que nosso universo é o "melhor de todos os possíveis mundos", e transmitiu o pensamento chinês para a Europa. Para o seu trabalho, ele é considerado um progenitor de idealismo alemão e um pioneiro do Esclarecimento.

Leibniz era o filho de um professor de filosofia moral em Leipzig. Uma juventude precoce, Leibniz aprendeu sozinho o latim e algum grego aos 12 anos de idade, podendo então ler os livros na biblioteca de seu pai. De 1661 a 1666 ele esteve na Universidade de Leipzig. Quando recusou admissão a seu programa doutoral em lei de 1666, ele foi para a Universidade de Altdorf que lhe premiou com o doutorado em jurisprudência em 1667. Na tradição de Cícero e Francis Bacon, Leibniz escolheu procurar a vida ativa de um cortesão. Ele recusou um cargo de professor a Altdorf porque ele tinha "coisas muito diferentes à vista". Depois de servir como secretário da Sociedade de Rosicrucian em Nuremberg em 1667, ele se mudou para Frankfurt para trabalhar em reforma legal. De 1668 a 1673 ele serviu o eleitor-arcebispo de Mainz. Lhe enviaram para Paris em 1672 para tentar dissuadir Louis XIV de atacar áreas alemãs. Leibniz propôs uma campanha contra o Egito e também para construir um canal pelo Istmo de Suez. Embora suas propostas fossem despercebidas, Leibniz permaneceu até 1676 em Paris, onde ele praticou leis, examinou pensamento Cartesiano com Nicolas Malebranche e Antoine Arnauld, e estudou Matemática e Física com Christian Huygens.

De 1676 até a sua morte, Leibniz serviu a família de Brunswick em Hanover como bibliotecário, juiz e ministro. Depois de 1686 ele serviu principalmente como historiador, preparando uma genealogia dos Hanovers baseada no exame crítico de materiais de fonte primária. À procura de fontes, ele viajou para a Áustria e Itália de 1687 a 1690. Por causa de seu fundo luterano, ele recusou a posição de guarda da Biblioteca Vaticana que requeria a conversão dele ao Catolicismo.

Nos seus últimos anos, Leibniz tentou construir uma armação institucional para as ciências na Europa central e Rússia. Ao urgir dele, a Sociedade de Brandenburg (Academia de Ciência de Berlim) foi fundado em 1700. Ele encontrou-se várias vezes com Peter o Grande para recomendar reformas educacionais na Rússia e propôs o que depois se tornou a Academia de Ciência de Saint Petersburg.

Embora tímido e livresco, Leibniz não conheceu nenhum mestre em disputa. Depois de 1700 ele opôs a teoria de John Locke que a mente é uma tabula rasa (tablete em branco) no nascimento e que nós só aprendemos pelos juízos. Ele protestou fortemente a carga da Sociedade Real (1712-13) de plágio contra ele relativo à invenção do cálculo. No debate final dele com Samuel Clarke, que defendeu ciência Newtoniana, Leibniz discutiu que espaço, tempo e movimento são relativos.

Os trabalhos mais importante de Leibniz são: o de Essais Theodicee (1710) em que muito de sua filosofia geral é achada, e o Monadology (1714). O trabalho dele foi sistematizado e foi modificado no século 18 pelo filósofo alemão Christian Wolff.


Comentar

Seu Nome:
Seu E-mail:
Comentário:
   
 



» Saiba mais

Artur Ávila - 1º brasileiro a receber o prêmio Fields (Nobel da Matemática)

Évariste Galois (o gênio encrenqueiro)

André Weil

Kurt Gödel

Poincaré (Jules Henri)

Venn (John Venn)

Tales de Mileto

Taylor (Brook Taylor)

Ruffini (Paolo Ruffini)

Pitágoras



Copyright © 2003/2010 Todos os direitos reservados - amintas@matematiques.com.br

Desenvolvido por Ronnan del Rey