» Biografias

Laplace

De Beaumont-en-Auge aos planetas



O famoso matemático francês Jean d'Alembert não deu a menor importância ao jovem de dezoito anos que o procurava. O rapaz enviara várias cartas de recomendação de cientistas e de políticos, e isso já bastava para deixar d'Alembert irritado. Mas ele não contava com a teimosia de Pierre Simon Laplace que, em pouco tempo, escreveu um pequeno tratado sobre os princípios gerais da Matemática e enviou-o ao professor.

Agora d'Alembert teria de mudar de opinião. Leu o trabalho do jovem Laplace e dois dias mais tarde mandou chamá-lo, dizendo-lhe: "Não costumo dar crédito a recomendações, e você não precisa delas. Você demonstrou que é digno de ser conhecido e eu lhe darei o meu apoio". Laplace conseguira a oportunidade que queria; daí em diante ele mostraria ao mundo científico que era, realmente, "digno de ser conhecido".

De Beaumont-en-Auge aos planetas
O menino Pierre Simon Laplace revelou logo em Beaumont-en-Auge, cidadezinha da Normandia onde nascera em Março de 1749, extraordinária inteligência. Por isso um tio seu, padre, levou-o para completar os estudos numa abadia beneditina. Daí Pierre seguiu para um colégio de Caen, onde se acentuou seu interesse pela Matemática. Aos dezoito anos, vai para Paris e, com a ajuda de d'Alembert, em pouco tempo, consegue o cargo de professor de Matemática na Escola Militar. Começa a realizar pesquisas, sobretudo em Astronomia, que impressionam a Academia de Ciências.

Estudou a fundo um dos problemas então mais atuais: a perturbação dos movimentos planetários. Temia-se, na época, que um planeta pudesse aproximar-se demais de outro, provocando uma catástrofe. Mas, com base em cálculos, Laplace demonstrou em uma série de trabalhos apresentados à Academia de Ciências que não havia motivo para tais temores, pois as irregularidades do sistema solar se corrigiram por si, durante tempos infinitamente longos.

Esses trabalhos, além de outros sobre assuntos similares, tornaram respeitado o nome de Laplace. Convidado a participar de várias academias e a lecionar nas melhores escolas, aceitava. Mas continuava estudando: dedicou-se à Química, à Física e até à Medicina, sem abandonar a Matemática e a Astronomia.

O ambicioso genial
Muitas de suas teorias até hoje são válidas. Contudo, frequentes descobertas que anunciou eram baseadas em trabalhos de outros cientistas, e Laplace escondia esse fato. Isso não desmente em nada o seu gênio, confirmado por descobertas autênticas e bastante importantes; mas revela o caráter ambicioso desse homem, que usava de todos os meios para obter fama e, com ela, honras e posição social. Laplace servia-se dos grandes e os adulava. Assim, conseguiu atravessar, coberto de glórias, um tumultuado período da História francesa. O prefácio das sucessivas edições de suas obras mostra que ele fazia qualquer coisa para conseguir o beneplácito de quem estava no poder. Num prefácio de 1796, dedica seus trabalhos ao Conselho dos Quinhentos; em 1802, cobre de louvores a figura de Napoleão - que havia suprimido o Conselho - e por isso é distinguido com vários cargos políticos, entre os quais o de ministro do Interior. Mas Napoleão cai em 1814, e agora Laplace dirige suas reverências aos Bourbons, que ocupam o trono, e isso lhe vale o título de marquês, conferido por Luís XVIII. Mas era capaz também de gestos de bondade, tanto assim que ajudou vários pesquisadores pobres.

Ao morrer, a 5 de março de 1827, Laplace tinha conseguido seu objetivo: era famoso e deixara uma obra importante.

A herança do gênio

No Tratado de Mecânica Celeste, Laplace reuniu tudo o que havia de esparso em trabalhos de vários cientistas, sobre as consequências da gravitação universal. Em outros livros, estudou os movimentos da Lua, de Júpiter e de Saturno. É famosa a sua hipótese sobre a origem dos mundos (a Teoria de Laplace). Explicou a formação do Universo a partir de uma nebulosa inicial, girando sobre seu próprio eixo, da qual se desprenderam, arremessados, os planetas do sistema solar. Embora hoje em dia esta seja considerada uma colocação ingênua do problema, na época serviu para despertar interesse e levantar debates.

Na Matemática, fez estudos profundos sobre a teoria das probabilidades - na obra "Teoria Analítica das Probabilidades" - e foi quem primeiro demonstrou integralmente o teorema de d'Alembert sobre as raízes das equações algébricas. Como físico, deixou estudos sobre refração, pêndulos, efeitos capilares, medidas barométricas, velocidade do som e dilatação dos corpos sólidos. E, com seu colega Lavoisier, construiu um calorímetro (instrumento para medir o calor específico dos corpos).


Comentar

Seu Nome:
Seu E-mail:
Comentário:
   
 

Comentários

27/05/2010 - anna lucia - aninha_gta_2008@hotmail.com
excelente isso tudo que preciso



» Saiba mais

Artur Ávila - 1º brasileiro a receber o prêmio Fields (Nobel da Matemática)

Évariste Galois (o gênio encrenqueiro)

André Weil

Kurt Gödel

Poincaré (Jules Henri)

Venn (John Venn)

Tales de Mileto

Taylor (Brook Taylor)

Ruffini (Paolo Ruffini)

Pitágoras



Copyright © 2003/2010 Todos os direitos reservados - amintas@matematiques.com.br

Desenvolvido por Ronnan del Rey